INSTITUCIONAL / COOPERATIVISMO


Cooperativismo

 

Ajuda mútua motivou criação do sistema

Em 1844, um grupo de 28 tecelões de uma fábrica da cidade de Rochdale, localizada no norte da Inglaterra, reuniu-se para combater o avanço do capitalismo e os intermediários que não obedeciam ao princípio da justiça do trabalho.

A intenção era criar um sistema econômico que tivesse como base a ajuda mútua, a solidariedade humana, a cooperação, a honestidade e o esforço coletivo. Surgiu, então, o cooperativismo, com a formação da primeira cooperativa de consumo do mundo.

Depois, em 1848, foi criada, na Alemanha, por Friedrich Wilhelm Raiffeisen, a primeira cooperativa de crédito. Tipicamente rurais, são bastante populares ainda hoje naquele país. Já o sistema cooperativista mais próximo do que conhecemos, atualmente, foi fundado por outro alemão, Herman Schulze, em 1850 e previa o retorno das sobras líquidas proporcionalmente ao capital. 

Os princípios cooperativistas espalharam-se pelo território nacional e as cooperativas tornaram-se mais populares, principalmente nas décadas de 1940 e 1960, e eram conhecidas como cooperativas de crédito mútuo

 

Membros da fábrica de tecelagem, em Rochdale, Inglaterra em 1860.

 

Cooperativas de crédito

Voltadas à poupança e financiamento das necessidades ou empreendimentos dos seus associados, as cooperativas de crédito são, dentre os atuais 13 ramos do sistema cooperativista, as que mais se desenvolvem.

No Brasil, a primeira cooperativa de crédito rural surgiu em 1902. Naquele ano, com um grupo de produtores rurais, o padre Theodor Amstad fundou em Linha Imperial, no atual município de Nova Petrópolis, no Rio Grande do Sul, a Caixa de Economia e Empréstimos Amstad ou Caixa Rural de Nova Petrópolis. A mais antiga cooperativa de crédito do país e da América Latina funciona, ininterruptamente.

Santa Catarina também ocupa posição de destaque, já que 40%, dos 1,5 mil pontos de atendimento bancário, pertencem às cooperativas de crédito. É o maior percentual em todos os estados do país.

 

Padre Theodor Amstad. Fundador da primeira cooperativa de crédito rural do país. Caixa de Economia e Empréstimos Amstad ou Caixa Rural de Nova Petrópolis.

 

 

Unicred do Brasil

A primeira unidade da Unicred foi criada em 10 de agosto de 1989, na cidade de Casca (RS), a cerca de 240 km de Porto Alegre, pelo médico Antônio Moacyr de Azevedo. A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Profissionais da Saúde, ou Unicred Vale das Antas, abrangia os municípios da região nordeste do Rio Grande do Sul. Estava criada a primeira Unicred do país e a primeira cooperativa do mundo exclusiva para a área médica.

Hoje (2016), a Unicred do Brasil concentra mais de 210 mil cooperados, atendidos em 44 cooperativas e 279 unidades de negócio.

 

Sede da Unicred Vale das Antas - Casca (RS).

 

Unicred União

Os ideais cooperativistas começaram a ser disseminados em Santa Catarina, em meados dos anos 90.

A primeira Unicred catarinense foi fundada em 05 de maio de 1993, na cidade de Blumenau. A Unicred Litoral, segunda a ser instalada no estado, foi inaugurada três meses depois, em 12 de agosto de 1993, em Itajaí.

Novas unidades começaram a ser implantadas no estado e duas delas, a Unicred Planalto Norte fundada em março de 1996, em São Bento do Sul e a Unicred Joinville (Norte Catarinense), constituída em 05 de junho de 1996, tiveram papel fundamental, pois uniram-se à Unicred Litoral, dando origem à Unicred Litoral e Norte Catarinense, que em 2016 transformou-se em Unicred União.

Além da alteração da denominação social, que inaugurou uma nova era da cooperativa, outra conquista bastante comemorada foi a ampliação da área de atuação. Em março de 2016, a Unicred União inaugurou a primeira agência em Curitiba, tornando-se a primeira singular catarinense a ultrapassar os limites geográficos. Uma conquista e tanto, que deu um novo fôlego à instituição, que conta agora com 16 agências e mais de 16 mil cooperados.

A união sempre fez parte dos princípios do cooperativismo e a Unicred vem colocando esse conceito em prática diariamente. A busca constante da melhoria da qualidade de vida de seus cooperados e colaboradores e a preocupação com a comunidade na qual está inserida são atitudes que demonstram que a filosofia cooperativista pode colaborar com o desenvolvimento integral da sociedade.